Desculpa esfarrapada: falta de tempo

16908020

Um dia desses uma amiga me convidou para ir à sua casa e eu disse pela décima vez que estava meio atolada e sem tempo por esses dias e ela me respondeu que não aguentava mais essa desculpa e que eu deveria inventar outra, pois todo mundo tem 24 horas e que eu deveria priorizar meus amigos.

Eu tenho obviamente que concordar pois realmente visitá-la nesse momento não é a minha prioridade. Mas como eu vou responder dessa maneira?

Mi, quer vir em casa amanhã? humm, amanhã eu já tenho outra prioridade, e já tenho prioridades suficientes para os próximos 5 meses.

Eu posso dizer que é a casa, que é a filha, que é o cachorro, que é o gato, que é o trabalho, mas eu sempre fui muito auto-envolvida e sempre tive dificuldade de encontrar um equilíbrio entre minha vida social e meus afazeres.

Aqui na Suécia as pessoas planejam os encontros com pelo menos 15 dias de antecedência. Pela minha experiência a gente tem mais coisas pra fazer aqui do que no Brasil, porque aqui quase tudo a gente faz a gente mesmo e não terceiriza. Diferentemente do Brasil, onde as pessoas terceirizam desde os filhos até a limpeza da própria privada.

A última vez que estive no Brasil uma menina que eu tinha acabado de conhecer veio me contar que tinha pago 3 mil reais para uma empresa de decoração pendurar uma cortina. Eu pensei, se tivesse me dado a metade disso eu mesma teria pendurado pra você.

Muitos reclamam dos problemas em encontrar amigos aqui e que os suecos são muito fechados. Uma coisa muito comum na Suécia chama-se “föreningsliv” que seriam as associações. Associação de pessoas com interesses comuns, fotografia, filme, música, pintura, costura, livros, culinária, comida vegetariana, esses dias vi uma onde as meninas se encontravam na piscina uma vez por semana e colocavam uma calda de sereia e ficavam nadando, enfim tem de tudo. Assim você encontra pessoas que tem o mesmo tipo de interesse que você e fica mais fácil fazer amizade. No meu caso me envolvo com outras mulheres através da dança. Também frequento às vezes um grupo de pintura. O governo fornece locais gratuitos para as pessoas se encontrarem.

Quem são os suecos?

sueco

Passando por aqui pra ver se encontra algo novo? Pois então hoje é o seu dia de sorte! Finalmente um post novo para iniciar 2017! Espero que vc tenha tido um ótimo ano! Quem sabe não será o ano em que vc conhecerá um sueco ou uma sueca não é mesmo? Mas, enfim, você conhecendo ou não um sueco, vai aprender muito com eles através dessa leitura!

É claro que não dá para generalizar e dizer que todas as pessoas de um país são iguais, mas de um modo geral os suecos são:

1. Inteligentes
Os suecos são as pessoas mais inteligentes que eu conheço. Eles tem muita facilidade com línguas, são práticos eliminando assim qualquer desperdicio de tempo e dinheiro com coisa desnecessária para executar uma tarefa. Não é incomum encontrar um sueco que desenvolve máquinas e outras invenções na garagem de casa, talvez porque eles brincam com lego desde cedo ou talvez porque eles não assistem a globo! Alguns suecos inteligentes famosos: Celcius (aquele que inventou o grau celcius), Lineu (aquele que classificou as espécies dando nome científico, Carl Munters (que inventou a geladeira), Lars Magnus Ericsson (desenvolveu a produção de telefones celulares e peças)

2. Bonitos
As crianças então são lindas! Os suecos(as) em sua maioria são magros ou bem distribuidos. Costumam ter uma barriguinha de chopp, mas ninguém é perfeito né gente! Eles costumam ter o nariz e a boca bem formados além do cabelo lindo. As mulheres são bem curvadas, com peito e bunda, e eles são bem ossudos. Os homens tem fixação por cabelo e as mulheres por maquiagem e unha postiça, especialmente quando são jovens, entre 18 a 24. Hollywood ama eles.

3. Grandes Entrepreneurs
Muitas das grandes empresas multinacionais conhecidas no mundo todo são suecas. Inclusive os donos estão na lista dos mais ricos do mundo: Ingvar Kamprad (IKEA), Erling Persson (HM), Axel Wenner-Gren (Eletrolux).

4. Patriotas
Você provavelmente não vai encontrar um sueco viajando pelo mundo usando a camisa do time sueco, nem levantando bandeira a não ser que seja copa da UEFA, mas os suecos levantam a bandeira da Suécia na porta de casa. E preferem tudo que é produzido aqui, carne, morango, vidro, carro. Os suecos sempre dão preferência aos produtos produzidos por eles, mesmo que muitas vezes sejam mais caros. Para eles, se o produto for sueco está implícito que tem qualidade e que pode confiar.

5. Trabalhadores
Os suecos (em sua maioria) não têm empregada em casa, e quando tem elas não são como no Brasil, que arrumam até cama. Os empregos populares aqui como atendente de café, você tem que cuidar do caixa, fazer os lanches e cafés e ainda no fim do dia limpar o chão. Muitas vezes trabalham no frio na rua o dia todo. Os suecos além de trabalhar fora, cuidam dos filhos, vão pra academia, fazem comida, possuem pelos menos dois hobbies e mais: cortam grama, pintam janela, reformam casa, consertam carro, trocam o pneu do carro, constroem a própria garagem, o próprio depósito e alguns deles constroem até a casa com as próprias mãos. Buscam os móveis nas lojas, montam sozinhos em casa. Nada aqui vem pronto! No domingo, quando vc passeia pelas ruas e não vê ninguém, é porque eles estão em casa arrumando ou montando alguma coisa.

6. Hightech
Tudo aqui é digitalizado. Vc faz tudo pela internet. Abre conta, fecha conta, marca dentista, desmarca, compra, vende, horário de ônibis, passagem de trem, onibus e avião e até fazer pedido em restaurante. Existem muitas aplicações que a gente não vive sem aqui: skype, spotify, bankid (pra se identificar em sites de banco e do governo), swish (pra transferir dinheiro de pessoa pra pessoa ou para empresa).

7. Bons pais e mães
Eles estão sempre fazendo coisas com os filhos, levando para passear, para andar de bicicleta, a vida deles gira em torno dos filhos. Tanto dos pais quanto das mães.

8. Ambientalistas
Os suecos se preocupam com o meio ambiente. Adoram vegetarianismo e produtos ecológicos. Estão sempre preocupados em contribuir de alguma maneira para ajudar algum projeto ambiental e social.

9. Ricos
Os suecos estão em quarto lugar com a melhor renda per capita da Europa e quinto lugar em todo o planeta. Com uma renda média de 82.930 € por ano.

10. Felizes
Como ser infeliz com todas as características anteriores? Os suecos são pessoas felizes, mas não muito risonhas, não se metem em confusão, evitam discussão, costumam ser sensatos, pensar muito antes de tomar uma decisão e de um modo geral prezam a família e gostam de ter poucos amigos íntimos.

Mudança de mentalidade

De vez em quando cada um de nós tem que superar seus demônios pessoais, seja ele a solidão, uma burrada feita na vida, a perda de um grande amor, de um ente querido, uma traição, a falta de dinheiro ou um problema de saúde, uma depressão ou sei lá o quê. É claro que seria muito bom se houvesse uma pílula para se sentir feliz, confiante, bem disposto, mas essa pílula mágica não existe, então muitas vezes temos que ter muito controle emocional e determinação para não desanimar de nossos objetivos.

O vídeo a seguir (e alguns outros) costuma me ajudar a focar minha cabeça, a me fazer refletir e acreditar em mim mesma, por isso resolvi traduzír e compartilhar aqui, quem não precisa de uma motivação de vez em quando?

Não existe nada tão poderoso quanto a mudança de consciência. Você pode mudar o seu cabelo, a sua vestimenta, seu endereço, seu esposo, sua residência, mas se você não muda sua mente, a mesma experiência será perpetuada porque tudo foi mudado externamente, mas internamente continua do mesmo jeito.

Se você quer alguma coisa da vida,se você quer mudar algo em você ou adquirir alguma coisa material ou se você deseja atingir algum objetivo, mudando suas atitudes, superando hábitos negativos. É desafiador e é muito difícil!

A maioria das pessoas vive uma vida inteira sem descobrir quais são seus talentos. A maioria das pessoas nunca desenvolvem seus talentos.

A única coisa que vai fazer você feliz nesse ano ou em outro, meu amigo, é dar o passo adiante, é elevar a sua média e descobrir o que você é capaz. É sentir aquela incrível força que te ajuda a ir para frente, superando tudo aquilo que fica bloqueando o seu progresso, para chegar do outro lado, do lado que você quer chegar ainda mais confiante de quem você realmente é. É esse o grande jogo da vida.

Quando você enfrenta os seus medos e continua se esforçando a seguir em frente, alguma coisa acontece PARA você.

Se você observar alguém muito bem sucedido e pensa: Uau, esse cara/ essa mulher é demais, é um gênio/uma gênia. Então você tem que entender o que está por trás de tudo: as pessoas são recompensadas em público por aquilo que eles praticam anos e anos em privacidade.

Se você não tiver coragem para desenvolver o que você foi feito para ser e você sai por aí perdendo tempo tentando convencer os outros ou tentando conseguir a aprovação dos outros, você vai perder seus nervos e as pessoas vão tentar te convencer que o que você faz não tem o menor valor e consequentemente você vai desistir do seu sonho.

Quanto tempo você ainda tem?

Ninguém sabe ainda quanto tempo resta para cada um de nós e a maioria de nós não usa as forças do universo que nos foram dadas. Páre de perder seu tempo valioso. Se você quer alguma coisa, você tem que ser implacável. Você tem que aprender como se tornar criativo, ter jogo de cintura e resiliência.

Desenvolva O PODER DE SE CONTROLAR e continuar seguindo em frente apesar das ADVERSIDADES.

O PODER DE SUPORTAR É A QUALIDADE DOS VENCEDORES.

A vontade, a habilidade de enfrentar derrota atrás de derrota sem desistir, é a qualidade dos vencedores.

O que esse poder é, eu não sei. Tudo que eu sei é que esse poder existe e que esse poder se torna disponível somente quando o homem ou a mulher está naquele estado de consciência quando ele ou ela sabe exatamente o que quer e está totalmente determinado a não desistir até conseguir. Essa grandeza está dentro de nós.

E você ainda tem que saber como se desligar dos críticos do lado de fora e do crítico do lado de dentro.

EU vou atrás do meu OBJETIVO e não vou deixar nada me parar. EU MEREÇO. A maioria das pessoas desistem facilmente delas mesmas. Você sabia que o espírito humano é poderoso? É muito difícil matar o espírito humano. Você é imparável! Viva a sua vida com paixão!

Decida que você vai seguir em frente. FOQUE EM VOCÊ e todo dia você verá a mudança nas coisas. Venda a sua habilidade de executar um trabalho, de atingir um certo objetivo, repetindo para você mesmo aqui vou eu novamente, e eu estou aqui para o que der e vier.

HOJE É O MEU DIA E NADA VAI ME DETER.

Maternidade antes e depois – a contradição

ame

Todo mundo me pergunta: e aí Michelle, me conta como está sua vida de mãe! Tá gostando? Pois bem minha gente, minha vida mudou!

Antes se eu quisesse arrumar a casa, eu ia lá e arrumava… eu começava a fazer o almoço e ia lá e terminava, mas agora não. Eu começo qualquer coisa, mas só termino se o meu bebê deixar! Essa é a vida de mãe. Não dá mais para planejar tudo.

Se eu estou frustrada? Tô nada. Estou amando essa vida nova! Estou sim com muitas idéias para escrever, coreografias novas, pique para trabalhar e muita coisa para falar, mas eu tenho que começar pagando a minha lingua como sempre!

Antes de Maya nascer eu não tinha muita noção do que a amamentação representaria para mim e para minha filha. Eu até escrevi esse artigo, sobre amamentação aqui, dizendo que amamentação não deve ser considerada uma obrigação da mãe. Minha idéia era principalmente tirar a “culpa” que as mães sentem quando não conseguem ou não querem amamentar.

Mas depois que Maya nasceu e o período horroroso da amamentação passou, como leite empedrado, mastite, febre, e muita dor no mamilo ferido, chegamos então naquela fase onde a amamentação é aquele momento acolhedor, é ficar abraçadinha de tarde quando tem só a gente em casa. É ficarmos deitadas no sofá embaixo do cobertor e lá mesmo pegamos no sono. Não preciso nem mais levantar a noite, deu fome, minha filhota pega o peito e lá mesmo mama enquanto eu continuo ainda meio que dormindo. É o que os suecos falam: Vad mysigt!

A troca de olhares, aquela mãozinha linda e gordinha, ai ai estou apaixonada pela minha filhota… enfim, continuo achando que a mãe não deve ter culpa pela escolha de não amamentar, mas a mãe tem que estar muito consciente de que mamadeira não substitui o peito NUNCA!

Aqui estou eu pagando a minha língua e me contradizendo: amamentação talvez não seja obrigação da mãe, mas é sim um direito de toda criança!

Ontem à noite, lendo o livro A maternidade e o encontro com a própria sombra da Laura Gutman, (leitura excelente para as novas e velhas mães) encontrei a melhor descrição da amamentação na vida da mãe e do bebê ou o que Laura chama de mãe-bebê!

A lactação é a continuação e o desenvolvimento de nossos aspectos mais terrenos, selvagens, diretos, filogenéticos. Para dar de mamar, as mulheres deveriam passar quase todo o tempo nuas, sem largar sua cria, imersas em um tempo fora do tempo, sem intelecto nem elaboração de pensamentos, sem a necessidade de se defender de nada nem de ninguém, mas tão somente abstraídas em um espaço imaginário e invisível aos demais.

Dar de mamar é isso. Ê deixar aflorar nossos recantos ancestralmente esquecidos ou negados, nossos instintos animais que surgem sem que imaginemos que estavam aninhados em nosso âmago. É deixar-se levar pela surpresa de nos vermos lambendo nossos bebês, de cheirar o frescor de seu sangue, de se lançar de um corpo a outro, de se converter em corpo e fluídos dançantes.

Dar de mamar é se despojar das mentiras que nos contamos durante toda a vida sobre quem somos ou Deveríamos ser. É estarmos soltas, poderosas, famintas, como lobas, leoas, tigresas, cangurus ou gatas. Muito semelhantes às mamíferas de outras espécies em seu total apego pelas crias, ignorando o resto da comunidade, mas atentas, milimetricamente, às necessidades do recém-nascido. Extasiadas diante do milagre, tentando reconhecer que fomos nós mesmas que o tornamos possível, e nos reencontrando com o que é sublime. É uma experiência mística se nos permitirmos que assim seja.

Isto é tudo de que se necessita para poder amamentar um filho. Nem métodos, nem horários, nem conselhos, nem relógios, nem cursos. Apenas apoio, proteção e confiança em ser você mesma mais do que nunca. Apenas permissão para ser o que queremos, fazer o que queremos e nos deixar levar pela loucura do selvagem.

Isto é possível quando se compreende que este profundo vínculo com a mãe terra faz parte da psicologia feminina, que a união com a natureza é intrínseca ao ser essencial da mulher e que, quando este aspecto não se manifesta na lactância, simplesmente não flui. As mulheres não são muito diferentes dos rios, dos vulcões ou dos bosques. Só é necessário preserva-los dos ataques.

Para ler mais baixe o livro aqui.

A teoria de tudo

cegonha

Semana 40+4: Não posso beber, nem viajar, então que tal um cineminha?

Quando assisti ao trailer do filme “A teoria de tudo” com a premiere 30 de janeiro nos cinemas em Kalmar, logo pensei: “é vou ter que esperar sair em DVD”, mas por incrível que pareça ainda estou grávida, então vou lá hoje “cry my ass out”! Sabe lá Deus quando vou poder ir ao cinema novamente.

Apesar dessas últimas 3 semanas terem me servido como uma forma de transição entre meu trabalho e a maternidade, onde aquela energia frenética de horários e responsabilidades foi transformada numa energia mais familiar, caseira e em contato com a natureza, hoje eu acordei com a cabeça no futuro: qual será o foco esse ano? Vai demorar muito para a gente viajar? Quando eu vou poder me exercitar e voltar a competir? Vou conseguir finalmente fazer meu curso de instrutora de yoga na Ásia? Melhor ainda, vou conseguir fazer isso tudo, pendurando meu filhote no sling e indo à luta?

Mas eu tinha que aceitar que ainda estou sem nenhuma contração, nem tampão, nem sinal de parto! Por que essa demora? Se eu estivesse vivendo no Brasil já estariam querendo tirar meu bebê à força. Sou grata, mais uma vez por estar aqui e ter a oportunidade de ir deixando as coisas correrem como manda a mãe natureza.

Eu sei que vivi as últimas 3 semanas sem planejar nada. Apenas estudando e me preparando para o parto, mas hoje tive uma crise de ansiedade! Afinal eu sou humana!

Depois que voltei ao normal, me lembrei que primeiro, antes de qualquer plano, quero conhecer quem será esse professor que vai me acompanhar nessa vida. E eu disse isso mesmo: PROFESSOR! Quem acha que filhos são objetos de posse e ostentação, se engana redondamente. Os filhos são nossos professores! Tem que encarar dessa forma, não tem jeito. E meu filhote já está me ensinando: viver o presente, o dia após dia, pois tudo tem seu tempo e não adianta esperniar. Não adianta fazer planos, nem berrar!

Leitura para grávidas

Photo 2014-12-28 16 52 12

1) O que esperar quando se está esperando
What to expect, when you are expecting. Heidi Murkoff

Fique longe desse livro se você quer ter um parto natural. Essa mulher fala só de doenças. É escrito sem sensibilidade, quase como se fosse um glossário ou uma enciclopédia. Definitivamente não é o meu estilo de livro. A minha amiga que me emprestou e eu devolvi na semana seguinte. Ela me disse que perdeu o medo de parto lendo esse livro. Eu sinceramente, não sei como ela conseguiu isso, mas esse livro não funcionou pra mim.
Recomendaria a uma amiga: NÃO


2) Nascer sorrindo
Birth without violence, Fredrick Leboyer

Esse livro foi escrito originalmente em 1974 por Leboyer, um dos primeiros médicos a considerar os sentimentos do bebê quando vem ao mundo. Ele fala que os recém nascidos também sentem dor e medo na hora do parto e que muitas vezes o parto é a causa de traumas que carregamos durante a nossa vida inteira.
O ponto negativo desse livro, na minha opinião, é que Leboyer é muito radical. Ele acredita que o tipo de parto afeta a personalidade da pessoa. Por exemplo, quem nasceu de um parto induzido tem dificuldade em lidar com pressão externa, quem nasceu de cesariana não toma tanta iniciativa como quem nasceu de parto normal, e uma criança que teve um parto calmo, normalmente é uma criança mais calma. Eu acho que não existe estudo suficiente para afirmar isso, mas a leitura é válida.
Recomendaria a uma amiga: SIM


3) The art of giving birth with Chanting, Breathing and Movement
Tradução: A arte de parir com canto, respiração e movimento, Fredrick Leboyer

Esse livro inclui um CD. A primeira parte é composta por trechos de cartas que Leboyer recebe de suas pacientes usando seus métodos, que na minha opinião é uma perca de tempo ou deveria ser colocado na segunda parte do livro.
Na segunda parte ele ensina algumas técnicas de respiração com som, e uns exercício para fazer junto com o CD. Se esse livro fosse escrito por uma mulher que já teve vários filhos eu daria mais credibilidade, mas um homem me falando a hora e como eu devo respirar na hora de parir NÃO OBRIGADA!
Recomendaria a uma amiga: NÃO


4) Ina May’s guide to childbirth
Tradução: O guia de Parto de Ina May, Ina May Gaskin

Ina May é uma das mulheres mais ativistas contra o sistema de parto hospitalar. Ela critica o mercado do parto no Brasil e nos EUA e dá palestras no mundo inteiro. Se você entende inglês recomendo assistir as palestras dela no youtube e economizar o dinheiro do livro. A primeira parte é um monte de história de parto que ocorre no centro de parto dela chamado de Farm. Depois ela fica criticando os médicos, as rotinas dos hospitais, as induções, os medicamentos, as cesarianas, a depressão pós parto etc. Enfim, basicamente o que sobra é: fique calma, sem medo, dê risada e se movimente na hora do parto. Fale verbalmente qualquer medo que vc tenha e libere as suas inseguranças, pois o psicológico afeta o parto e desacelera as contrações. Ou seja leitura válida, mas nada de novo que já não tenha sido falado nas palestras dela do youtube.
Recomendaria a uma amiga: NÃO


5) Hypnobirthing
https://www.facebook.com/hypnobirthingnobrasil, Marie F. Mongan

Esse livro é o mais essencial de todos para quem não fez curso de parto, Lamaze ou outra técnica. Ele dá muitas dicas de como funciona a nossa psique, fala do medo e como o ele pode travar um parto (assim como nos livros anteriores), mas ela ensina técnicas de relaxamento de maneira concreta. Também inclui um CD. Estou cofiante nas instruções dela para meu parto natural. Uma conhecida que me indicou esse livro, ela teve o bebê há 3 dias (no dia de natal) às 41 semanas e 3 dias, em casa (em Stockholm).
Recomendaria a uma amiga: SIM


6) Quando o corpo consente
Marie Bertherat, Thérese Bertherat e Paule Brung
Baixe-o aqui

Esse livro foi o meu primeiro, achei online e amei. Foi escritos por três mulheres francesas, a grávida, a mãe dela que é terapeuta e a parteira. Falam de uma maneira muito bonita e empoderadora. Cada uma escreve a partir da sua realidade. Criticam também os métodos convencionais. Tem depoimento de parto e tudo. Já que está online vale a pena a leitura.
Recomendaria a uma amiga: SIM

Saber ou não o sexo do bebê

francia-scuola-genere

Quando nós descobrimos que eu estava grávida, logo de cara decidimos que a gente só iria querer saber o sexo do bebê no dia que ele nascesse. A gente queria se conectar com esse serzinho de uma forma mais espiritual, abrindo nosso coração, sem deixar que a mente e a razão tomasse conta da gente.

Na minha opinião, o descobrimento do sexo antes da hora é mais uma forma da gente tentar manter o controle e tirar o foco da gravidez em si. Pelo que eu vejo, quando as pessoas já sabem o sexo, elas já começam a preparar o quarto de tal cor, de comprar roupas de certo jeito, e aí o foco espiritual dá espaço para o material.

Aqui na Suécia é bastante comum não saber o sexo, mas no Brasil, as pessoas, e com isso eu quero dizer a minha mãe, fazem um drama! Minha mãe não consegue entender porque eu não vejo logo o sexo e já escolho o nome de uma vez. Assim ela sabe o que vai trazer para o quarto do bebê, já manda bordar toalhas com o nome, e por aí vai. Para a minha mãe, não saber o sexo só dá mais trabalho.

Mas essa é a forma que nós escolhemos para viver a gravidez que a gente encara como a fase de preparação para o nascimento. O parto é o primeiro rito de passagem do meu filho(a) e eu quero que seja uma momento dele(a), focado nele(a) e não apenas em mim ou ao que me convém. Neste momento, eu sou apenas um tunel que, enquanto ele(a) está passando por mim, estarei aqui nutrindo e protegendo ele(a) e quando for a hora dele(a) sair, quero fazer o possível para que ele(a) saia sem sofrimento, com saúde e felicidade de estar vindo conhecer a gente.

Quero aproveitar esse momento de transformação física e espiritual e ser grata pela oportunidade de estar vivenciando tudo isso. Por mais que a gente queira manter o controle das coisas, do mundo, das pessoas, parir é justamente se virar ao avesso e se entregar ao desconhecido!

Aqui segue mais um depoimento de outra mãe que escolheu não saber o sexo do bebê:

Segundo trimestre e planejamento de parto

Durante o primeiro trimestre, a parte mais delicada da gravidez onde os órgãos e membros do bebê estão se formando, tudo que a grávida mais pensa é que essa fase passe logo, para poder contar para os amigos, para a família e no trabalho. A gravidez ainda é quase que irreal, pois não sentimos que temos um bebê na barriga e também o corpo não mudou tanto.

No segundo trimestre, já nos sentimos melhor, menos enjôo, menos dores de cabeça, mais fome, mais disposição. O corpo muda, o bebê mexe e a gravidez já é uma realidade. É uma ótima fase para viajar, fazer compras (pois as roupas antigas já não cabem) e preparar as coisinhas do bebê. Nessa fase já fizemos pelo menos um ultrassom e temos uma certa noção de como o bebê está se desenvolvendo. Apesar de ainda faltarem 4-5 meses para o parto, é essa a hora ideal de começarmos a nos informar sobre o parto e a nos planejar. E informação é o que não falta hoje em dia! Ao contrário da época da minha mãe, onde todas as informações que ela teve vinham de forma oral, da mãe dela e dos vizinhos. Minha mãe diz que o único livro que ela comprou foi o famoso livro dos anos 70 e 80: Meu bebê. E que quando ela sentiu aquelas dores das contrações ela achou que fosse morrer.

Mas hoje em dia tudo mudou. Temos informações em excesso. A gente sabe dos tipos de parto, das vantagens e desvantagens de cada um, e o mais importante acho que a humanidade vem descobrindo uma outra forma de nascer e das consequências de um bom parto na vida de um ser humano. Eu fico um pouco surpresa às vezes, quando fico sabendo de algumas escolhas das minhas colegas e alguns familiares no Brasil, já que são pessoas informadas, de classe média e com alto nível de educação. Mas cada um tem o parto que merece! Cada um se prepara para o tipo de parto que vai conseguir ter.

Aqui na Suécia, como eu já disse antes, o parto padrão é o normal, onde a mulher vai para o hospital quando já estiver com contrações regulares e chegando lá quem estiver de plantão é que irá atendê-la. Caso algo dê errado, ou a mulher tenha algum problema, aí então chamam o médico e fazem uma cesária.

Mas apesar de toda essa “normalidade” do parto na Suécia, acredito que as mulheres daqui também não conhecem todo o seu poder feminino-animal para terem um parto mais natural ainda. Vi alguns vídeos no youtube e achei que elas usam muito a epidural e aquele gaz que tira a mulher da “realidade” por alguns segundos.

Eu tenho lido muitas coisas sobre o parto, e já que eu trabalho há tempos com o corpo feminino, espero realmente, que essa minha consciência corporal me ajude a ter um parto 100% consicente, prazeroso e porque não, orgásmico.

Eu separei uma série de vídeos informativos e motivadores para nós mulheres do século 21, entre tantos outros vídeos, encontrei essa brasileira que vive na Australia com uma forma muito bonita de pensar e que bate muito com a forma que eu vejo a gestação e o parto.

E a maior surpresa foi ter encontrado esse vídeo: “Parto orgásmico, o segredo mais bem guardado”. Uau! Que ótimo ter encontrado algo assim, isso muda tudo, toda a forma que a gente via o parto, toda a forma que a gente via a mulher e o papel da sexualidade no ser humano.

Enfim meninas! Era isso! Boa gravidez e orgasmo no parto! Beijão!

Doula, parto e ajuda pós parto

crazy-woman

Depois que fiquei grávida eu comecei a questionar não só a sociedade, mas as pessoas à minha volta, mais especificamente as mulheres, e eu me inspirei e criei uma nova tag para o blog: pagar a língua. Talvez eu pague a minha língua e todo mundo vai rir de mim dizendo: hahaha eu te avisei!. Bom, eu vou explicar.

Uma das minhas amigas do Brasil me escreveu: ai Micha estou tão feliz por você, que esse filho(a) lhe traga muitas felicidades e que aproxime você e o Fábio ainda mais.

Hummm… eu pensei, desde quando filho aproxima casal? Que eu saiba o número de separação aumenta, depois do primeiro filho e triplica depois do segundo. Sem contar o sexo, que se já ia mal antes, praticamente desaparece depois dos filhos. As mulheres ficam gordas, entram em depressão e de licença saúde.

Mas enfim, agradeci e pensei… é tomara!

Continuei explicando o sistema sueco, e ela me disse, porque você não contrata uma doula? Pra quê? Repliquei eu! Ué, ela vai te ajudar a ficar mais calma, relaxar e te dar força, fazer você acreditar em você!

Hummm, ela vai parir por mim também? eu pensei!

Continuamos:

amiga: E aí sua mãe vai pra Suécia te ajudar depois que o bebê nascer?
eu: Não, de jeito nenhum! Não quero ninguém aqui pelo menos durante os primeiros três meses!
amiga: Nossa você é louca Michelle!
eu: Ah quero me acostumar com meu bebê, cheirar ele, lamber ele, ficar descabelada pela casa, sem me preocupar com mais ninguém.
amiga: Menina, você não tem noção do trabalho que um bebê dá. Você vai precisar de alguém pra fazer comida, arrumar a casa, etc. Você vai precisar de alguém com mais experiência pra te ajudar nas emergências. Você vai precisar dormir.

Humm, então eu preciso de alguém pra me ajudar a parir, de alguém pra me ensinar a dar de mamar, de alguém pra fazer comida pra mim… resumindo, depois que eu parir vou ficar imprestável. Uma vaca estatelada na cama dando leite pro recém nascido.

E o doador do esperma fica aonde nessa história toda? Aonde está o pai da criança gente? O famoso que enviou a sementinha? Se a grávida tem alguma relação com o pai, ele deve estar junto em tudo. É um trabalho de parceria. Não é só a mãe que pari, mas o pai também. Porque nós brasileiras colocamos os homens como mais uma criança para ser cuidada no lar? Por que a gente tem que chamar a nossa mãe, a nossa irmã ou sei lá mais quem? Será que não está na hora de mudar essa história? De começar a delegar responsabilidades aos homens?

A última para terminar:
eu: Amiga venha pra cá me visitar ano que vem, deixa a cria aí com o pai e venha. Vamos viajar pela Europa, vamos à Paris, à Mônaco, à Marseille, à Roma! Comer comida fina e beber champagne!
amiga: quem sou eu, se eu viajar sozinha todo mundo morre aqui em casa! Você vai ver depois do seu bebê nascer, quero só ouvir você falando isso novamente.

Tive um flashback! Minha amiga repetiu as mesmas palavras que a minha mãe falava na minha infância! Não posso viajar senão todo mundo morre nessa casa!

Amigas virtuais, vou falar uma coisa, ninguém vai morrer se você viajar, nem se você morrer. Deixe de ser o centro do universo! Ninguém é insubstituível, nem mesmo a mãe. Livre-se desse peso. Livre-se de carregar o mundo nas suas costas. Livre-se de equilibrar mil coisas na sua cabeça. Cuide da sua saúde, de você, de ser feliz. Empodere-se. Seja da sua cabeça e da sua (ainda que limitada) liberdade. Ser mãe é apenas uma parte da sua vida. Não esqueca da sua essência!

E talvez… talvez lá pra frente eu pague a língua!

Coisas ruins acontecem?

Esse é um post para os momentos difíceis, porque volta e meia eles aparecem.

Os obstáculos na vida acontecem por uma única razão: o aprendizado! Como um presente que auxilia o desenvolvimento pessoal e espiritual. Mesmo que na hora seja difícil compreender, mas muitas vezes as coisas vão fazer sentido lá na frente.

“Nasceste no lar que Precisavas;
Vestiste o Corpo Físico que merecias;
Moras onde melhor Deus te proporcionou,
De acordo com teu adiantamento;
Possuímos os recursos financeiros coerentes com as tuas necessidades,
Nem mais, nem menos, mas o justo para as tuas lutas terrenas;
Teu ambiente de trabalho é o que elegeste espontaneamente para tua realização;
Teus Parente e AMIGOS, são as almas que atraíste, com a tua própria afinidade;
Portanto, teu DESTINO está constantemente sob teu controle,
Tu escolhes, eleges, atrais, buscas, expulsas, modificas,
Tudo aquilo que te rodeia a existência;
Teus pensamentos e vontades
São a chave de teus atos e atitudes,
São as fontes de atração e repulsão na tua JORNADA, vivência;
Não reclames nem te faças de vítima;
Antes de tudo, analisa e observa;
A mudança está em tuas mãos,
Reprograma tuas metas,
Busca o bem e viverás melhor,
Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo
Qualquer um pode começar agora e fazer um Novo Fim.”