Leitura para grávidas

Photo 2014-12-28 16 52 12

1) O que esperar quando se está esperando
What to expect, when you are expecting. Heidi Murkoff

Fique longe desse livro se você quer ter um parto natural. Essa mulher fala só de doenças. É escrito sem sensibilidade, quase como se fosse um glossário ou uma enciclopédia. Definitivamente não é o meu estilo de livro. A minha amiga que me emprestou e eu devolvi na semana seguinte. Ela me disse que perdeu o medo de parto lendo esse livro. Eu sinceramente, não sei como ela conseguiu isso, mas esse livro não funcionou pra mim.
Recomendaria a uma amiga: NÃO


2) Nascer sorrindo
Birth without violence, Fredrick Leboyer

Esse livro foi escrito originalmente em 1974 por Leboyer, um dos primeiros médicos a considerar os sentimentos do bebê quando vem ao mundo. Ele fala que os recém nascidos também sentem dor e medo na hora do parto e que muitas vezes o parto é a causa de traumas que carregamos durante a nossa vida inteira.
O ponto negativo desse livro, na minha opinião, é que Leboyer é muito radical. Ele acredita que o tipo de parto afeta a personalidade da pessoa. Por exemplo, quem nasceu de um parto induzido tem dificuldade em lidar com pressão externa, quem nasceu de cesariana não toma tanta iniciativa como quem nasceu de parto normal, e uma criança que teve um parto calmo, normalmente é uma criança mais calma. Eu acho que não existe estudo suficiente para afirmar isso, mas a leitura é válida.
Recomendaria a uma amiga: SIM


3) The art of giving birth with Chanting, Breathing and Movement
Tradução: A arte de parir com canto, respiração e movimento, Fredrick Leboyer

Esse livro inclui um CD. A primeira parte é composta por trechos de cartas que Leboyer recebe de suas pacientes usando seus métodos, que na minha opinião é uma perca de tempo ou deveria ser colocado na segunda parte do livro.
Na segunda parte ele ensina algumas técnicas de respiração com som, e uns exercício para fazer junto com o CD. Se esse livro fosse escrito por uma mulher que já teve vários filhos eu daria mais credibilidade, mas um homem me falando a hora e como eu devo respirar na hora de parir NÃO OBRIGADA!
Recomendaria a uma amiga: NÃO


4) Ina May’s guide to childbirth
Tradução: O guia de Parto de Ina May, Ina May Gaskin

Ina May é uma das mulheres mais ativistas contra o sistema de parto hospitalar. Ela critica o mercado do parto no Brasil e nos EUA e dá palestras no mundo inteiro. Se você entende inglês recomendo assistir as palestras dela no youtube e economizar o dinheiro do livro. A primeira parte é um monte de história de parto que ocorre no centro de parto dela chamado de Farm. Depois ela fica criticando os médicos, as rotinas dos hospitais, as induções, os medicamentos, as cesarianas, a depressão pós parto etc. Enfim, basicamente o que sobra é: fique calma, sem medo, dê risada e se movimente na hora do parto. Fale verbalmente qualquer medo que vc tenha e libere as suas inseguranças, pois o psicológico afeta o parto e desacelera as contrações. Ou seja leitura válida, mas nada de novo que já não tenha sido falado nas palestras dela do youtube.
Recomendaria a uma amiga: NÃO


5) Hypnobirthing
https://www.facebook.com/hypnobirthingnobrasil, Marie F. Mongan

Esse livro é o mais essencial de todos para quem não fez curso de parto, Lamaze ou outra técnica. Ele dá muitas dicas de como funciona a nossa psique, fala do medo e como o ele pode travar um parto (assim como nos livros anteriores), mas ela ensina técnicas de relaxamento de maneira concreta. Também inclui um CD. Estou cofiante nas instruções dela para meu parto natural. Uma conhecida que me indicou esse livro, ela teve o bebê há 3 dias (no dia de natal) às 41 semanas e 3 dias, em casa (em Stockholm).
Recomendaria a uma amiga: SIM


6) Quando o corpo consente
Marie Bertherat, Thérese Bertherat e Paule Brung
Baixe-o aqui

Esse livro foi o meu primeiro, achei online e amei. Foi escritos por três mulheres francesas, a grávida, a mãe dela que é terapeuta e a parteira. Falam de uma maneira muito bonita e empoderadora. Cada uma escreve a partir da sua realidade. Criticam também os métodos convencionais. Tem depoimento de parto e tudo. Já que está online vale a pena a leitura.
Recomendaria a uma amiga: SIM

Pré-natal na Suécia 25 semanas

Outono

Parece que foi ontem que eu descobri que estava grávida! Os dias passam tão rápido, são tantas coisas pra fazer que mal tenho tempo de refletir em todas as mudanças que estão acontecendo na minha vida.

Hoje finalmente voltei à barnmorska (enfermeira obstetra), depois de três meses sem encontrá-la.

16-jun-14: Minha primeira visita do pré-natal.

01-jul-14: Segunda visita, exame de sangue e urina, pesagem.

16-jul-14: Ultrassom (TN) ou KUB-test em sueco (no hospital)

09-set-14: Ultrassom morfológico (no hospital)

17-okt-14: Barnmorska, exame de sangue, medição da barriga e ouvir o coração do bebê (hoje!)

Eu tenho me sentido basicamente muito bem, todos os exames deram bons resultados agora é só melhorar minha paciência, que parece ter diminuído nos ultimos meses. Gostaria de estar trabalhando menos, continuo dando aula de dança e às quinta-feiras trabalho cerca de 12 horas e na sexta 9 horas. Quando chega sábado estou exausta!

Começamos a decorar o quartinho do bebê. Ele já tem berço, trocador e baú de brinquedo (sem brinquedos ainda).

Pré-natal na Suécia

barnmoska

O pré-natal padrão da Suécia é feito por uma enfermeira obstretra, também conhecida como parteira. Caso alguma coisa esteja errada ou a mãe tenha algum problema de saúde então ela será encaminhada ao médico. Todos os atendimentos são gratuitos.

SEMANA DA GESTAÇÃO: Descrição da consulta

semana 6-10: Primeira visita – Questionário sobre a saúde da mãe, informações sobre alimentação e drogas. A grávida recebe um livro sobre gestação, parto e cuidados com o recém nascido e alguns panfletos com sugestão de menus para café, almoço e janta.

semana 10-12: Inscrição no sistema – Aqui a gestante é oficialmente registrada e inicia-se os exames como de sangue e urina, pressão sanguínea e peso.

semana 11-13+6: Ultrassom para casais que queiram fazer o KUB-test (conhecido como Translucência Nucal no Brasil) – exame opcional.

semana 17-19: Ultrassom para casais que queiram ver o desenvolvimento do bebê (Opcional). Lembrando que a definição do sexo não é incluída nesse exame. Quem quer saber o sexo provavelmente deve fazer alguma consulta particular. Pelo menos isso é o que diz na nossa informação. Se tiver bem a mostra e o casal quiser saber talvez eles falem.

semana 25: Terceira visita à enfermeira – Exames como tirar a pressão, ouvir o coração do bebê, medição da circunferência da barriga e exame de sangue.

semana 29: Quarta visita – Pressão, ouvir o coração do bebê, medição da circunferência da barriga e exame de sangue e urina.

semana 32: Quinta visita – Pressão, ouvir o coração do bebê, medição da circunferência da barriga, exame de sangue e medição do peso da grávida.

semana 35: Sexta visita – Pressão, ouvir o coração do bebê, medição da circunferência da barriga, exame de sangue e posição do bebê.

semana 37: Sétima visita – Pressão, ouvir o coração do bebê, medição da circunferência da barriga, posição do bebê e peso da grávida.

semana 39: Oitava visita – Pressão, ouvir o coração do bebê, medição da circunferência da barriga e posição do bebê.

semana 41: Nona visita – Pressão, ouvir o coração do bebê, medição da circunferência da barriga e posição do bebê.

semana 42: Décima visita - Visita à enfermeira ou ao médico

8-12 semanas depois do parto
: Pressão sanguínea, peso e exame de sangue.

O processo é bem diferente do Brasil, especialmente porque no Brasil os médicos contam a gravidez como 38 semanas e aqui são 40 semanas, podendo se extender até a 42a. Dificilmente um bebê nasce naturalmente à exatamente 38a semana. E eles acreditam que no primeiro filho ainda demore mais do que 40 semanas.